https://static.portaldamusica.org.mz/cImages/5_0000000000/img000073-518-20210817-203840

Venâncio Mbande

  • NOME COMPLETO
  • Venâncio Mbande
  • NATURALIDADE
  • Zavala
  • IDADE
  • 81
  • INÍCIO CARREIRA
  • 1940
  • FALECIDO EM
  • 2015-06-25
  • BASEADO
  • -
  • PROVINCIA
  • Inhambane
  • INSTRUMENTOS
  • Timbila
  • GÉNERO MUSICAL
O Portal da Música Moçambicana convida a todos interessados a contribuir com informação pertinente sobre músicos, bandas, instrumentos e géneros musicais que o façam pelo email info@portaldamusica.org.mz. Obrigado pela contribuição

Biografia

Desde muito jovem se notabilizou como um exímio “timbileiro”, arte transmitida pelos avôs maternos. Aos 9 anos de idade já alinhava com o grupo de Ngalanga em Mbandeni, povoado que o viu nascer. Mais adiante, aos 12 anos de idade, passa a morar com o pai, no distrito de Homoíne, onde veio a aperfeiçoar a sua veia musical entre timbileiros locais, tendo alinhado com diversos grupos da localidade de Fanhafanha.

Por volta de 1951, emigra para trabalhar nas minas de ouro e platina na vizinha África do Sul, onde permaneceu por cerca de 44 anos. Neste período, conhece e actua com outros grandes mestres de timbila, como é o caso de Sathanhane Boquisso, e mantém contactos com o Etnomusicólogo Hugh Tracey e mais tarde com o seu filho e também etnomusicólogo, Andrey Tracey, os quais vieram a ser uma grande influência na sua vida artística, sobretudo na sua carreira internacional. Com apoio destes e de outros, ele actua em Países como Estados Unidos da América, Alemanha, Portugal, Inglaterra, Dinamarca, Bélgica, Países Baixos, França, Áustria, Austrália, Congo, Zâmbia, Eswathine, para além da África do Sul.

Em 1992, a convite da Royal Conservatory, uma academia de música dos Países Baixos, cria um grupo de música de timbila e precursão, composto por professores e estudantes desta academia com o qual actua no festival de timbilas e realiza um concerto na Cidade de Maputo, em 1999.

Em 1994, com a sua reforma, regressa a Moçambique e joga um papel muito importante para a realização do M’saho, Festival de Timbila. A sua acção tem um impacto importante na reactivação de vários grupos de timbila, no Distrito de Zavala, grupos que tinham sido extintos ou enfraquecidos, como resultado da Guerra da década de 1980. No decurso da sua carreira, gravou um documentário, 6 álbuns musicais, sendo 1 em vídeo. Conquistou prémios e condecorações, entre os quais o Prémio Percursão do FUNDAC, atribuído em 2009, e a Medalha de Artes e Letras, atribuído pelo Governo Moçambicano, em 2014.


Parceiros